Húmus: o que é e quais são suas funções para o solo

Húmus é a matéria orgânica estável presente em vários tipos de solos, essencial para a vida na Terra

Húmus, ou humo, é um termo que remonta aos tempos dos antigos romanos, quando era usado para designar o solo como um todo. Hoje, o termo “húmus” designa toda a matéria orgânica estabilizada (que não sofre mudanças químicas ou físicas significativas) presente nos mais diversos tipos de solos (argilosos, arenosos, entre outros). Ollech, cientista estudioso do tema, definiu o húmus em 1890 como “todas as substâncias que são formadas na decomposição e fermentação da matéria orgânica de origem vegetal e animal, ou por meio da ação de certos agentes químicos sobre essa matéria orgânica, na forma de compostos orgânicos amorfos (que não tem forma determinada), não voláteis, não gordurosos, mais ou menos escuros”.

Apesar do húmus ser estável, ele não é estático, e sim, dinâmico, uma vez que é formado constantemente a partir de resíduos vegetais e animais que são continuamente decompostos por micro-organismos.

Importância do húmus

A importância do húmus para a o solo é múltipla. Ele fornece nutrientes para as plantas, regula as populações de micro-organismos e torna os solos férteis.

húmus também é fonte de carbono, nitrogênio, fósforo, cálcio, ferro, manganês, entre outras substâncias essenciais para o crescimento saudável dos vegetais.

Ele também é capaz de impedir a penetração de substâncias tóxicas do solo nas plantas; retém umidade e mantém a temperatura do solo equilibrada.

A função do húmus para a vida aquática vegetal e animal ainda é pouco estudada, entretanto, sua importância é amplamente reconhecida.

húmus define a cor, textura, estrutura, retenção de umidade e a aeração do solo. Quimicamente, ele influencia a solubilidade de minerais do solo, formando compostos com certos elementos como o ferro, o que os torna mais facilmente disponíveis para o crescimento das plantas e aumenta as propriedades tampão do solo. Biologicamente, o húmus serve como fonte de energia para o desenvolvimento de micro-organismos e melhora o ambiente para ao crescimento de plantas superiores. Entretanto, as funções do húmus para as plantas ainda não foram completamente estudadas pela ciência e, apesar de haver a possibilidade de alguns efeitos prejudiciais do húmus para as plantas, o consenso científico é de que os benefícios superam malefícios.

Micro-organismos

Sem os micro-organismos não haveria húmus, e sem húmus a vida no planeta Terra como a conhecemos seria impossível.

São os micro-organismos os principais responsáveis pela formação do húmusa partir de resíduos vegetais e animais. Eles produzem húmus continuamente por meio da decomposição e mineralização (transformação da matéria orgânica em minerais). O papel dos micro-organismos no ciclo da matéria orgânica no solo, bem como na natureza, em geral, é indispensável. Sem a transformação dos restos animais e vegetais em húmus todos elementos essenciais ficariam armazenados nesses organismos mortos e não poderiam ser reutilizados.

Tipos de húmus

As formas mais conhecidas de húmus são aquelas encontradas em jardins. Entretanto, existem diferentes tipos de húmus, até mesmo variedades que não são utilizadas para plantio, mas para fins industriais.

húmus presente no carvão e na turfa como fonte de combustível tem sido um dos principais agentes no desenvolvimento da civilização industrial moderna. O húmus presente no petróleo, por exemplo, tem uma importante função econômica. Mas, de maneira geral, o húmus é separado em quatro categorias:

Húmus marrom:

Encontrado na vegetação viva, na matéria orgânica recentemente caída (serrapilheira), na turfa, em ervas marinhas em decomposição nas margens dos corpos d’água e nos fungos;

Húmus preto:

Geralmente encontrado em um estado ativo de decomposição nas camadas mais profundas do solo, na decomposição de folhas e madeiras de florestas, em estrumes de animais, em turfa de pântanos e em lamas;

Húmus de transferência:

É o encontrado nas água dos rios, lagos, nascentes e água da chuva;

Húmus fóssil:

É o húmus encontrado sob a forma de lignite, carvão marrom outros depósitos de carbono, bem como em muitos minerais, como minérios hidratados de ferro e manganês.

Húmus de minhoca:

“Húmus de minhoca” é a expressão utilizada para designar o húmus resultante da matéria orgânica decomposta por meio do processo digestório das minhocas, formando uma compostagem natural. As minhocas facilitam o trabalho dos micro-organismos fragmentando a matéria orgânica em pedaços menores; e por isso elas têm sido utilizadas como uma forma de potencialização da formação do húmus, prática conhecida como vermicompostagem. Saiba mais sobre esse tema na matéria: “Vermicompostagem: conheça as vantagens dessa técnica que reduz o lixo orgânico“.

Por meio da compostagem é possível transformar todos resíduos orgânicos produzidos em casa em um húmus muito rico. A vantagem dessa pratica é que, além de adquirir adubo para as plantas, você reduz a quantidade de lixo que seria destinado para aterros e lixões e ainda evita a emissão de gases do efeito estufapara atmosfera. Saiba como fazer seu próprio húmus na matéria: “Compostagem: o que é e como ela funciona? Entenda os diversos benefícios

Húmus, o descontaminador do solo

A contaminação dos solos por metais pesados, como cromo, chumbo, cobre entre outros é motivo de grande preocupação para a saúde humana e do meio ambiente. Muitas alternativas já foram testadas para evitar os danos deste metais ao solo e lençóis freáticos, mas o húmus revelou-se uma das mais eficientes delas porque pode ser feito em casa, com materiais orgânicos e com a ajuda das minhocas, além de se tornar, depois do processo da compostagem, um fertilizante nutriente do solo, além de descontaminá-lo.

Segundo dissertação de mestrado do químico Leandro Antunes Mendes, a vermicompostagem, que é o processo de produção do vermicomposto ou húmus, é muito eficaz na descontaminação de solos.

Em uma pesquisa realizada no Laboratório de Química Ambiental do Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da USP, com o título de Utilização de vermicomposto com vistas à remediação de solos contaminados com cromo, cobre e chumbo, os testes mostraram que a compostagem pode substituir solventes (poluentes usados na descontaminação de solos que contêm metais pesados). Isso porque o húmusgerado no processo faz com que não ocorra a lixiviação (carregamento das substâncias para o lençol freático), além de fazer com que os metais não fiquem disponíveis no meio ambiente, segundo o pesquisador.

Fonte: https://www.ecycle.com.br

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 − 6 =