100% Favela: a impressora feita de sucata que imprime objetos tridimensionais

O feito lhe rendeu o Prêmio Iniciativa Shell Jovem, programa da mundial do petróleo que seleciona e incentiva financeiramente negócios com potencial de contribuição socioambiental.

Da impossibilidade de comprar uma impressora 3D de 17 mil reais, Lucas Lima criou o próprio equipamento a partir de sucata encontrada no ferro-velho. O feito lhe rendeu, no último dia 7, o Prêmio Iniciativa Shell Jovem, programa da gigante mundial do petróleo que seleciona e incentiva financeiramente negócios com potencial de contribuição socioambiental.

Depois de ver seu invento aprovado e premiado, o engenheiro mecânico de 24 anos não parou por aí. Morador do Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio de Janeiro, ele resolveu criar a start up Infill. O nome, que em inglês significa “preenchimento”, faz alusão à necessidade de preencher o vazio tecnológico das comunidades por onde circula.

A ideia, segundo Lucas, é:

“ter uma tecnologia 100% favela, mostrar que somos mais do que estatística de violência, somos o futuro“.

A meta é que a Infill atue em diversas frentes, não se restringindo à venda de equipamento ou de produtos produzidos com a impressora, mas também oferecendo capacitação tecnológica para jovens moradores do Complexo do Alemão.

Já está programado, para o próximo semestre, um curso gratuito, que inclui o ensino de robótica e uso de plataformas tecnológicas. O plano é abrir outras turmas na sequência, a preços populares.

“Serão projetos que vão ensinar os jovens a se autossustentar e a ganhar dinheiro de uma forma que não seja maçante”, explicou Lucas ao Uol.

Fonte: https://www.greenme.com.br/

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × quatro =