Cientistas americanos encontram microplásticos no gelo do Ártico

Pesquisadores usaram um helicóptero para aterrissar em campos de gelo e retirar amostras. Essa forma de poluição ameaça vida marítima mesmo nas águas mais remotas do planeta.

Pedaços minúsculos de plásticos foram encontrados em núcleos de gelo perfurados no Ártico por uma equipe de cientistas norte-americanos, evidenciando a ameaça que essa crescente forma de poluição representa para a vida marítima mesmo nas mais remotas águas do planeta.

Os pesquisadores usaram um helicóptero para aterrissar em campos de gelo e retirar amostras, em uma expedição de 18 dias pela Passagem Noroeste, a arriscada rota que liga os Oceanos Pacífico e Atlântico.

“Ficamos semanas observando o que parecia ser gelo primitivo, intocado, flutuando no oceano”, disse Jacob Strock, um pesquisador estudante de graduação da Universidade de Rhode Island, que conduziu uma análise inicial, ainda na embarcação, dos núcleos.

“Quando olhamos de perto e vimos que está visivelmente muito contaminado quando você olha com as ferramentas certas, aquilo foi como um soco no estômago”, disse Strock à agência “Reuters”, por telefone.

Strock e seus colegas encontraram o material preso dentro de gelo retirada de Lancaster Sound, um trecho isolado de água no Ártico Canadense que eles acreditavam estar relativamente protegido da poluição de plástico.

A equipe perfurou 18 núcleos de gelo de até dois metros de comprimento em quatro locais, e encontrou pequenas esferas visíveis de plástico e filamentos de várias formas e tamanhos. Os cientistas disseram que as descobertas sinalizam que a poluição de microplásticos está concentrada no gelo.

“O plástico se destacou tanto na abundância quanto na escala”, disse Brice Loose, oceanógrafo da Universidade de Rhode Island e cientista chefe da expedição, conhecida como Projeto da Passagem Noroeste.

O projeto é focado principalmente no impacto de mudanças climáticas causadas pelo ser humano no Ártico, cujo papel no sistema de resfriamento do planeta está sendo comprometido pelo sumiço rápido do gelo no mar durante o verão na região.

Fonte: www.g1.com.br

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro − quatro =